quando for grande quero ser EU.

quando for grande quero ser EU.

nunca soube muito bem responder sempre que perguntavam "o que queres ser quando fores grande?" e enquanto todos os meus amigos pareciam ter a resposta na ponta da língua, eu sentia-me sempre encurralada: como se escolher uma profissão me definisse para sempre.  
mais do que isso, sabia que me sentia feliz a fazer coisas diferentes e desde o teatro a ensinar crianças, produção de eventos, dançar, trabalhar no aeroporto, escrever e, mais recentemente, trabalhar com lã, já fiz tantas coisas e mesmo assim, ainda não consigo escolher uma só como favorita. 
ia dar-me lindamente no Renascimento, tenho a certeza.
mas vivemos tempos diferentes e, ao longo dos anos, a sociedade só me fez sentir uma inútil, pois não tinha uma profissão 'a sério' como advogada, arquitecta, médica ou cientista.
olho à minha volta e toda a gente parece ter tudo sob controlo enquanto eu, já na casa dos trinta, continuo à procura de quem é que devo ser, do que é que é suposto fazer, para onde raio é que tenho de ir.  
por isso páro. e penso. e concluo que aqui, hoje, é precisamente onde é suposto estar. não há nada de errado comigo. 
e que ter interesses variados só faz de mim uma pessoa mais completa: sou a soma de todas as minhas escolhas e de todas as minhas acções. 
é curioso que, neste momento, quanto mais exploro este meu lado de 'maker', mais me sinto completa. mas estou preparada para mudar tudo de novo se for preciso e já não tenho tanto medo do que os outros possam pensar sobre as minhas decisões.
o que sei é que nunca me vou contentar com menos do que precisamente aquilo que mereço, que é: ser sempre EU.