muda de vida
2015/05/25

muda de vida

"muda de vida se tu não vives satisfeito / muda de vida, estás sempre a tempo de mudar / muda de vida, não deves viver contrafeito / muda de vida, se há vida em ti a latejar."

lembro-me do dia em que enchemos o peito de coragem e inspirados pelo antónio variações no auto-rádio, o carro cheio de caixas e malas feitas à pressa, descemos a rua dos fanqueiros para te levar à tua nova casa. éramos três, vinte anos acabados de fazer, os sonhos todos do mundo e a crença inabalável de que tudo é sempre possível. querias sair de casa, lamber as feridas de um passado triste e recomeçar. e nós lá fomos, eu e o E., encher o carro à pressão da tua vida enfiada em sacos de plástico, ajudar-te a respirar melhor.
lembro-me muitas vezes desse dia. e sempre, sempre com esta música de fundo. lembro-me de te admirar profundamente e de querer ser como tu. ter a força de mudar o que não está bem. sair da paz-podre que é a segurança e arriscar.

largos anos depois, este mesmo dia serviu-me de inspiração para mandar tudo ao ar e dizer: basta.
recomeçar. e agora? logo se vê.
o resultado? o melhor possível. sou a prova-mais-do-que-comprovada de que vamos sempre a tempo.

e agora, aqui sentada, entretida entre linhas, lãs e fotografias, à beira de mais um verão sem trabalho, lembro-me do teste que ainda não preparei, das 8 aulas que vou dar amanhã, das notas que entreguei hoje, das avaliações que tenho de começar a preparar (mas, mas... ainda agora terminei as do período passado...!), da reunião de pais que marquei para esta semana. e volto a lembrar-me do verão sem trabalho. dos recibos por passar. do IRS por entregar. lembro-me das contas que fazemos para aguentar 3 meses sem o meu ordenado. e começo a duvidar se pensar-que-vamos-sempre-a-tempo não será, afinal de contas, uma falácia. 
mudar? como, quando?
se soubesses como estou cansada de viver assim.
tenho 31 anos e o mundo diz-me que começo a envelhecer para o mercado.
estará o mundo doente? 
respira fundo. olha em frente. 

é tempo de mudar. mandar tudo ao ar e recomeçar.
seja lá onde for, seja lá como for.  

"olha que a vida não, não é nem deve ser / como um castigo que tu terás que viver."